Escola de Educação Infantil Raio de Luz
Pais Atentos
Não se fazem telhados como antigamente

Não se fazem telhados como antigamente

Mais do que apenas nos proteger da chuva, os telhados podem ser usados para captar água e gerar energia.

André Trigueiro

Tente imaginar as cidades brasileiras vistas de cima. Agora repare no desperdício que é a soma dos telhados de todas as edificações. O modelo construtivo convencional banalizou a função dessa parte de casas, prédios, escolas, ginásios, estádios etc. Ainda hoje, ensina-se em muitos cursos de engenharia e arquitetura que o telhado é apenas um telhado. Um reles arremate que cobre o que está embaixo. Não seria exagero chamar isso de crime de lesa-cidade.

No século 21, essas áreas ganham progressivamente importância e prestígio na promoção da qualidade de vida de seus donos com múltiplos usos inteligentes. Quem mora em São Paulo aprendeu isso na raça. No auge da crise hídrica, muita gente adaptou às pressas o telhado para captar água de chuva.

Segundo a ANA (Agência Nacional de Águas), uma casa com cem metros quadrados de área de telhado no centro da capital paulista pode captar água suficiente para abastecer uma família de quatro pessoas em suas necessidades de limpeza e descarga do vaso sanitário, por exemplo. Dependendo da localização, o telhado pode ser uma miniusina solar. Um kit completo, incluindo inversores e outros acessórios, custa cerca de 15 mil reais e é capaz de reduzir em até 80% a conta de luz, com o retorno do capital investido em, no máximo, doze anos. É caro, mas o valor vem caindo 5% ao ano. O telhado verde, com o plantio de certas espécies mais indicadas para esse fim, promove o isolamento térmico e acústico e, se desejar, captação de água de chuva. Tudo isso sem falar no ar caprichoso da casa, que fica parecendo ter saído de um conto de fada dos irmãos Grimm.

Quer experimentar algo mais simples e barato? Pinte todo o telhado com tinta branca reflexiva e reduza em até 70% a temperatura no interior da construção, além de refletir os raios solares que agravam o efeito estufa. Um projeto simples, de eficácia indiscutível e que assegura bem-estar pessoal e munição extra contra o aquecimento global. Faltou ainda falar das lajes, que permitem ter jardins e hortas. Mas isso já é outra história.


A nossa casa
Família

A nossa casa

É impossível pensar em ética se a gente não pensar em convivência. Afinal, o que é a ética?

Educação para a sensatez
Educação

Educação para a sensatez

A insensatez vem à tona quando há uma quebra na nossa visão de alteridade, isto é, na capacidade de perceber o outro como um outro e não como um estranho.