Instituto Santa Teresa
Pais Atentos
Sinal de alerta para o lixo tecnológico

Sinal de alerta para o lixo tecnológico

Nossos hábitos cotidianos estão exigindo da Terra mais do que ela pode suportar

Por André Albert

Nossos hábitos cotidianos, como a produção crescente de equipamentos tecnológicos e o acúmulo de resíduos, estão exigindo da Terra mais do que ela pode suportar.

Em 2016, o Brasil gerou um total de 1,5 milhão de toneladas de lixo eletrônico – que incluem computadores, impressoras, telefones celulares e teve?s. A maior parte desses itens foi parar em lixo?es comuns, contaminando o solo e os lençóis freáticos.

O celular é o ícone da modernidade. Nele, quase tudo pode ser visto, acessado, jogado. Dá até para telefonar! no Brasil, quase todos têm um… que vai ficar obsoleto. E descartado de maneira imprópria, transforma-se em um vilão poluidor.

Teclado

  • Material: Antes, plásticos diversos, silicone emborrachado e prata (contatos). Hoje, mesmo material da carcaça, silicone emborrachado, prata (contatos) ou não existem (touchscreen, tela sensível ao toque).
  • Quem fornece: Idem ao material usado na carcaça, México e Peru (prata) e diversos países (sílica).
  • Efeitos da produção: Os botões com o mesmo material da carcaça encobrem o tradicional teclado de silicone emborrachado. Ou seja: mais material está sendo usado. A tela sensível ao toque dispensa o uso de silicone e plástico, materiais mais difíceis de reutilizar ou reciclar que o vidro.
  • Reciclagem correta: A mistura de materiais faz com que os botões geralmente tenham o mesmo destino da carcaça: derretimento ou incineração para produção de energia. Os contatos, que ficam sob o teclado, são de prata e podem ser recuperados.
  • Falsa reciclagem: Aproveitam-se somente os contatos de prata, mas descarta-se o material restante.
  • Caiu no lixão: Decomposição lenta. Modelos velhos liberam toxinas ao serem queimados.

Carcaça 

  • Material: Antes, alumínio, cromo, PVC e retardantes de fogo à base de bromo. Hoje, alumínio, policarbonatos e antimônio (retardante de fogo). Há experimentos para a produção de polímeros biodegradáveis.
  • Quem fornece: Arábia Saudita e Irã (petróleo, base do PVC e dos policarbonatos), Brasil (alumínio), África do Sul (cromo) e China (antimônio). 
  • Efeitos da produção: A produção de alumínio com base em bauxita, embora seja menos agressiva ao solo, exige um gasto imenso de energia e água. Os plásticos, como o PVC e o policarbonato, são derivados do petróleo, fonte não renovável.
  • Reciclagem correta: O PVC e os policarbonatos podem ser incinerados para gerar energia, desde que com a devida neutralização dos gases tóxicos. Outra opção é derretê-los e transformá-los em plástico reciclado, usado em produtos de menor valor. O alumínio também é facilmente reaproveitado. 
  • Falsa reciclagem: O derretimento de carcaças com retardantes à base de bromo sem tratamento dos gases libera dioxinas. Essas substâncias se espalham pela atmosfera e causam graves problemas de saúde em humanos e animais.
  • Caiu no lixão: Materiais de decomposição lenta, como o PVC, podem ficar mais de 200 anos na natureza e ocupam espaço, por serem rígidos. Em caso de incineração, as carcaças liberam dioxinas. 

Bateria

  • Material: Antes, liga de níquel-cádmio, grafite e potássio. Hoje, íon-lítio (à base de lítio, cobalto e grafite) ou hidreto metálico de níquel (à base de potássio, níquel e grafite). 
  • Quem fornece: Rússia (níquel), Bolívia (lítio), República Democrática do Congo (cobalto), Coreia do Sul (cádmio), China e Brasil (grafite) e Canadá (potássio).
  • Efeitos da produção: O níquel e o cobalto são obtidos da mineração, atividade de alto impacto no solo e de emissão de CO2. As maiores reservas de lítio estão na Bolívia.
  • Reciclagem correta: As baterias possuem cobalto, níquel e ferro, que podem ser reaproveitados.
  • Falsa reciclagem: Se a cartolina e o papelão são facilmente recolhidos para a reciclagem, as embalagens plásticas acabam no lixão. De reciclagem mais cara, elas são menos valorizadas no mercado informal de coleta.
  • Caiu no lixão: O cádmio é um metal pesado e pode contaminar a água e o solo. 

Tela de LCD 

  • Material: Vidro, óxido de índio-estanho ou óxido de zinco e polímero de cristal líquido.
  • Quem fornece: Canadá (índio) e China (zinco e estanho). 
  • Efeitos da produção: O índio é um mineral raro em forma pura, em geral é obtido da extração de outros minérios, como o zinco. Ou seja, além do impacto da mineração, ainda há um grande gasto de energia na eletrólise para separar o minério.
  • Reciclagem correta: O visor de vidro é reaproveitado. Mas a recuperação dos metais especiais, como o índio, ainda é considerada muito cara e ocorre apenas em testes.
  • Falsa reciclagem: Caso o backlight (sistema de iluminação) dos aparelhos antigos seja quebrado, pode haver a liberação de vapor de mercúrio. A quantia é mínima, se comparada a um monitor de TV. 
  • Caiu no lixão: A incineração de uma tela de LCD pode levar à transformação dos polímeros em gases poluentes e cancerígenos. 

Cabos e fios

  • Material: Antes PVC, retardantes de fogo à base de bromo (capa), cobre (fios) e cobre com berílio (conectores para cabos externos). Hoje polietileno e poliamida (capa), antimônio (retardante de chamas) e cobre (fios). 
  • Quem fornece: Chile (cobre) e Brasil (berílio).
  • Efeitos da produção: A mineração do cobre, a céu aberto, devasta grandes áreas. A produção de PVC libera resíduos de cloro altamente poluentes. Como o custo e o desempenho dos materiais alternativos ainda deixam a desejar, a substituição é lenta.
  • Reciclagem correta: O principal ganho é o reaproveitamento do cobre dos fios.
  • Falsa reciclagem: Queimar fios para obter o cobre libera dioxinas e ácido clorídrico. O berílio dos conectores, se inalado, ataca os pulmões. E o antimônio irrita a pele e o sistema digestório.
  • Caiu no lixão: Os efeitos são os mesmos ocorridos com o descarte das carcaças. Fontes: Anatel, Banco Mundial, Nokia, Sony Ericsson, Worldwatch Institute, Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Convenção de Basileia - MPPI (Iniciativa de Parceria para Telefones Móveis).

Circuito impresso 

  • Material: Antes, cobre, ouro, prata, paládio, níquel, estanho, bromo, chumbo, mercúrio, plásticos, fibra de vidro, epóxi e cerâmica. Hoje, uso restrito de chumbo e mercúrio ou bismuto, índio e germânio, entre outros. 
  • Quem fornece: China (bismuto), África do Sul (ouro e cromo), Rússia (paládio) e Austrália (chumbo).
  • Efeitos da produção: Metais, como ouro e paládio, são raros. A extração é poluente e pouco produtiva. Para produzir uma tonelada de ouro, são geradas ao menos 10 mil toneladas de CO2.
  • Reciclagem correta Os metais nobres, como ouro e prata, e comuns, como cobre e estanho, são reaproveitados. A base de epóxi é usada como combustível para a caldeira onde os metais são fundidos. 
  • Falsa reciclagem: Na separação do ouro, há a liberação de mercúrio, altamente tóxico. Os resíduos não são tratados e podem contaminar rios, o solo e a atmosfera. Além disso, a desmontagem inadequada pode levar ao desperdício de materiais raros, misturados a outros, mais comuns.
  • Caiu no lixão: Há a contaminação do solo e da água por chumbo e mercúrio liberados das soldas dos equipamentos. 

Uma vida de sorrisos
Saúde

Uma vida de sorrisos

Gengivas avermelhadas, inchadas ou até mesmo sangrantes são um sinal de alerta de que alguma coisa está errada