Juvenal de Carvalho
Pais Atentos
Provocações filosóficas: Política é cidadania

Provocações filosóficas: Política é cidadania

Hoje encontramos discursos, lemas e planos que falam em cidadania como se ela fosse uma dimensão superior à política

Mario Sergio Cortella

Existe uma tendência a excluir a relação direta entre política e cidadania, criando uma rejeição curiosa à política e valorizando a cidadania, como se fossem termos diversos. Há um vínculo inclusive de natureza semântica entre as duas palavras, que, objetivamente, significam a mesma coisa.

A noção de política está apoiada num vocábulo grego, polis (cidade), e “cidadania” se baseia em um vocábulo latino correspondente, civitatem. Embora a origem etimológica seja diferente, os dois termos propõem que pensemos na ação da vida em sociedade (ou seja, em cidade). Isso significa que não é possível apartar ou separar os conceitos.

Hoje encontramos uma série de discursos, lemas e planos pedagógicos e governamentais que falam em cidadania como se ela fosse uma dimensão superior à política. Muito se diz que a tarefa da escola é a promoção da cidadania, sem a interferência da política. Não se menciona o conceito de política, como se ele fosse estranho ao trabalho educacional, com isso, pretende-se dar à cidadania um ar de ideia nobre, honesta, de valor positivo. Sob essa ótica, política é sinônimo de sujeira, patifaria, corrupção. Claro que não é assim.

Ambas as palavras e ações se identificam. É preciso recusar a recusa do termo “política” no espaço educacional! Ainda temos essa rejeição ao conceito, como se ele pertencesse a uma área menos significativa e menos decente que a cidadania. Ora, não se deve temer a identidade dos conceitos, pois só assim é possível construir cidadania no sentido político do termo: bem comum, igualdade social e dignidade coletiva.

Assim, é necessário debater a política, e isso é debater a cidadania. Falar em política envolve também os partidos, mas não se esgota neles. É toda e qualquer ação em sociedade, portanto, toda e qualquer ação em família, em instituições religiosas e sociais, no mundo das relações de trabalho.

Num momento em que nosso país caminha para um revigoramento do processo democrático, não é aceitável – porque poderá ganhar um ar conservador e até reacionário – admitir que é princípio da escola “não se meter em política”. Ao contrário, é porque se meterá em política que a cidadania se reinventa. Porém, não é tarefa da escola a promoção da política partidária, porque partido ou é uma questão de foro íntimo ou deve se dar nos seus espaços próprios. É imprescindível levar esse tema para o debate no projeto pedagógico da escola, sem porém invisibilizar o conhecimento das múltiplas posturas. Há uma diferença entre partidarizar e politizar. Mas a política, no sentido amplo de cuidar da vida coletiva e da sociedade, é, sim, obrigação escolar e componente essencial do currículo. Não pode a escola se furtar ao mundo da política, porque isso implicaria diretamente na impossibilidade da cidadania. 


Alegria de ensinar
Educação

Alegria de ensinar

Em vez de falar sobre os sofrimentos pelos quais passam os professores, neste texto, o escritor e educador Rubem Alves descreve as alegrias da profissão.