Auxiliadora Natal
Pais Atentos
Como planejar os estudos

Como planejar os estudos

Qual é a fórmula mágica para não acabar o ano com a corda no pescoço? Não tem mistério: basta elaborar um bom roteiro de suas atividades e respeitar esse planejamento

Por Denise Pellegrini e Iana Chan

Se no ano passado seu filho ficou pendurado na escola, cheio de dificuldades e com o boletim mais vermelho que a bandeira da China, calma! Sempre há tempo de recomeçar e fazer tudo certo desta vez. E “certo” não significa se matar de estudar.

Mantenha o cinema no fim de semana e nem pense em diminuir as horas de sono. Isso mesmo: um bom estudo não requer noites em claro ou renúncia à diversão. Ao contrário. Boas noites de sono e tempo para o lazer são fundamentais para se manter a disposição para estudar, conforme pesquisas conduzidas pelo cientista Robert Stickgold, da Universidade Harvard, nos Estados Unidos.

Mas, então, qual é a fórmula mágica para não acabar o ano com a corda no pescoço? Não tem mistério: basta elaborar um bom roteiro de suas atividades e respeitar esse planejamento.

O primeiro passo é admitir que no passado faltou vontade de aprender. Isso porque o desejo sincero de estar ali estudando interfere decisivamente na concentração que se tem. É o que faz diferença, por exemplo, quando você percebe que não estava prestando a menor atenção em alguma leitura, embora esteja efetivamente lendo frase após frase. “O sucesso nos estudos depende da disposição para a tarefa”, diz a psicóloga Adriana Machado, do Serviço de Psicologia Educacional da Universidade de São Paulo (USP).

“Só quando você está ligado no que está fazendo é que o seu cérebro capta adequadamente os estímulos externos, sejam eles a fala de seu professor ou algo escrito”, afirma o neurologista Fernando Coronetti Gomes da Rocha, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu. “O interesse e o desejo de prestar atenção no assunto promovem uma ativação cerebral em níveis que permitem a memorização”, diz.

Mesmo depois de estar concentrado na realização da tarefa, ainda há diversas maneiras de se tornar mais produtivo. Uma delas é estabelecer prioridades para a mente. O maior desafio de um estudante, a prova de vestibular, pode ser vencido mais facilmente com algumas atitudes, como olhar primeiro a prova inteira e realizar os exercícios mais fáceis antes de responder ao resto. “A melhor maneira é encarar uma prova como um jogo de pega-varetas, em que você tira primeiro as peças que não oferecem risco”, compara o professor Sezar Sasson, de São Paulo.

Confira um roteiro para colocar sua vida escolar nos eixos!

 

  • Quantas horas é preciso estudar por dia?

O estudo pode ser realizado em dois ou três períodos de duas horas no decorrer do dia. Mais do que isso pode levar a uma fadiga mental.

  • Como organizá-lo?

Monte uma tabela semelhante ao horário escolar. Marque em cada dia as disciplinas que vai estudar e, conforme a matéria é dada em classe, vá detalhando os conteúdos ou as metas numa tabela.

  • Qual a duração ideal de um plano de estudo?

Depende dos objetivos que se quer atingir. Pode-se sempre estabelecer metas de curto prazo. As metas devem estar em sintonia com o ritmo da matéria dada em classe. Quando as metas são cumpridas à risca, sua motivação se mantém em alta.

  • Como controlar o cumprimento do plano?

Tique na tabela cada tarefa realizada. O que não foi feito no período determinado deve ser realizado em um horário extra na próxima semana. Deixe períodos livres para eventuais reposições, mas evite sempre postergar as tarefas.

  • Como dividir o tempo entre as disciplinas?

Intercale as matérias preferidas com as que não gosta. Evite, por exemplo, estudar Matemática e Física em seguida, já que as duas exigem cálculos.

  • Engenharia da boa leitura

Ler algo compreendendo com clareza seu conteúdo nem sempre é uma tarefa fácil e depende muito da prática. “Não se consegue aprender a ler às vésperas de uma prova”, avisa a pedagoga Teresa Rego.

É preciso adquirir o hábito, mesmo que isso seja feito com livros que não tenham relação direta com os assuntos vistos nas aulas, como futebol ou música. “Isso é importante para que se conquiste o prazer de ler”, diz Teresa. Veja algumas formas de tornar sua leitura mais produtiva:

  • Como organizar um plano de estudos

Antes de tudo, atente para os destaques apontados pelo autor do texto (título, intertítulos, quadros, ilustrações). Isso vai ajudá-lo a ter uma noção ampla do tema antes de começar uma leitura mais atenta.

  • Os rabiscos

Vá destacando com caneta colorida ou marcador de texto as palavras-chave. Se preferir, escreva ao lado de cada parágrafo a ideia principal. Isso facilita a compreensão e o trabalho na hora de rever o assunto.

  • A interpretação

Durante a leitura, relacione e compare as novas informações com o que você já conhecia sobre o tema. O autor pode estar contrariando ou acrescentando algo à informação que você já possui. Pode também estar defendendo uma teoria incorreta. Nunca renuncie ao senso crítico.

  • A síntese

Faça um fichamento de cada capítulo, artigo ou livro lido. Anote em fichas de papel, ou num caderno, o título, o autor, a editora ou a fonte, data da publicação e a página. Depois, relate por escrito o que você compreendeu em um resumo. Consulte-o sempre que precisar retornar ao assunto.

  • Como deve ser o espaço de estudos

Detalhes no local em que você estuda podem ter grande influência no seu desempenho. Estudar sempre no mesmo lugar ajuda também a desenvolver uma rotina. Fique atento a estas dicas:

  • Tira-dúvidas

Dicionários, um comum e outro de etimologia, não podem faltar.  “Qualquer que seja a disciplina em questão, eles são úteis para elucidar conceitos”, explica  Teresa Rego.

  • Mesa posta

A altura da mesa deve coincidir com a de seus cotovelos quando você estiver sentado (a). Prefira um móvel amplo, para permitir a organização de todo o material, o que evita ficar se levantando a toda hora para procurá-los.

  • Cantinho bom

Estudar sempre no mesmo local facilita a concentração. A mente acaba se educando para realizar as operações necessárias ao estudo quando você estiver ali. Se você não tiver um bom local, bibliotecas são ótimas opções.

  • Luz do saber

O ambiente deve ser arejado e claro. Abra a janela e providencie uma luminária de mesa que permita a incidência direta da luz sobre o que está sendo lido ou escrito. Da ventilação adequada depende o bom funcionamento do seu cérebro e a boa luminosidade vai ajudar a manter a concentração.

  • Cordão de isolamento

Não custa pendurar na porta uma tabuleta com os dizeres “não perturbe”. Não atenda a telefonemas e dispense as guloseimas enquanto estiver estudando. “Conciliar qualquer outra atividade com o estudo desvia sua atenção e prejudica o aprendizado.”

  • Diversão domada

Computador e internet são poderosos instrumentos de estudo. Mas tome cuidado com as tentações. Games e redes sociais são extremamente dispersivos.


A nossa casa
Família

A nossa casa

É impossível pensar em ética se a gente não pensar em convivência. Afinal, o que é a ética?

Educação para a sensatez
Educação

Educação para a sensatez

A insensatez vem à tona quando há uma quebra na nossa visão de alteridade, isto é, na capacidade de perceber o outro como um outro e não como um estranho.