Boa vontade

Boa vontade

Boa vontade é um bem precioso e raro, pois, em essência, trata-se de uma das bases para todas as realizações da sociedade

Paulo Pio

Boa vontade é um bem precioso e raro, pois, em essência, trata-se de uma das bases para todas as realizações da sociedade. É a disposição para ajudar, mas ajudar para valer, querendo resolver e com o intuito de colaborar com os outros e com o mundo em que vivemos.

Educar as emoções para agir com boa vontade não é apenas sentir compaixão e ficar paralisado, como mero expectador. É ir ao encontro da ação com atitudes concretas, é fugir da inércia e olhar o outro com empatia.

A conhecida parábola do Bom Samaritano é um excelente exemplo dessa virtude a desenvolver: “Ao verificar a oportunidade de ajudar aquele moribundo ferido no caminho, o samaritano, dotado de boa vontade, não perguntou, não investigou, não suspeitou, não ficou estático e inoperante, ele apenas ajudou sem pedir nada em troca”. A essência deste sentimento é dar de si espontaneamente, é operar o bem sem nada receber.

Apenas uma atitude de boa vontade por dia pode mudar o destino de muitos, principalmente o seu: emprestar um livro, remover um potencial perigo na via pública, ouvir um irmão com paciência e silêncio, indicar alguém para uma oportunidade profissional, conter a irritação, doar um pouco dos seus recursos materiais para instituições filantrópicas, doar seu tempo para a caridade e cidadania. Eis alguns exemplos de como podemos transformar a teoria em prática.

A má vontade é um dos piores flagelos da humanidade. Com frequência, por descuido, adotamos um sentimento de inoperância e preguiça diante das coisas – às vezes, parece que somos compelidos a fazer tudo pela metade. 

Vivemos em um mundo atribulado e materialista, somos propelidos todos os dias ao egoísmo, a pensar apenas em nós mesmos. Precisamos deixar para sempre a antiga lei do “olho por olho, dente por dente”, que impera ainda hoje em nossa sociedade.

Tenhamos a certeza: será o conjunto das boas vontades dos homens, venham elas de onde vierem, de qualquer credo ou raça, a alavanca para que a humanidade, num futuro próximo, caminhe em um mundo melhor, mais belo e mais justo para se viver.

Governar as emoções é encher a mente de boa vontade.


Aprender a conviver
Educação

Aprender a conviver

Existe grande preocupação dos educadores com relação à formação inicial das crianças, pois parece estar cada vez mais difícil a integração delas, de forma conveniente, na sociedade.